Trilha de Itacimirim a Reserva de Sapiranga

Bom enfim comecei 2010 com a trilha que mais queria fazer, a de Sapiranga. Motivado, acordei as 04:20 da matina para o pedal. Levei um estreante para o pedal, meu cunhado Erivaldo que foi um capítulo a parte (fica mais pra frente). Chegamos ao local marcado para o pedal, não tinha mais ninguém liguei para Elson que me disse “pisa que encontra a gente pelo meio do caminho”. Foi o que fizemos sentamos o pé e encontramos a galera no posto de gasolina em frente a Sapiranga. Lá conheci a figura da trilha Chopper (que figura) apresentei o novato a galera que ganhou logo o apelido de “cunhado” e fomos embora. Logo aos 8 km de trilha a primeira “brincadeira”, Elson para motivar a galera disse que quem subisse a ladeira ganharia uma camisa de passeio do mural de aventuras. O suficiente para encourajar a galera para subir e depois de várias tentatívas e tombos da galera, o único que conseguiu ganhar a camisa foi Ricardo (Popó) aí vimos como a experiência faz a diferença. Frustração e cansaço a parte, Seguimos o pedal e passarmos por vários locais bonitos, muita subida e descida até chegarmos ao rio onde tivemos que passar com a bike literalmente “nas costas”. Frescura de alguns em tirar a sapatilha (para não molhar hehehe) a parte, pra mim ali começou a trilha, mato a dentro passamos por lugares de difícil acesso mas conseguimos chegar. Cunhado com sua bike incrementada (com luz de freio, luz de setas e buzina) foi um show a parte no pedal. Paramos para apreciar o rio em um lugar que tinha tirolesa e uma cerveja gelada. Após o descanço, veio a parte legal do pedal, uma subida de areia fofa (miseravi) que quase botei os bofes para fora mas conseguimos seguir. Em uma destas subidas, ouvi de Chopper a frase do dia que foi “Não chora não misera, ria” (chorei de rir) quando ele começo a reclamar logo após um pequeno acidente com o pedal que machucou sua canela. Depois caiu uma chuva (que nos acompanhou até o fim da trilha) e foi responsável por mais duas emoções, tomei uma queda incrivel em um downhill (onde dei um duplo twist carpado 360) e o meu pneu furou. No fim da trilha, aproveitamos um belo bode assado e a alegria ficou completa com a resenha da trilha. Marco.
VEJA O FILME ABAIXO

CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR
















6 comentários:

Elson disse...

Muito engraçado o filme com Chopper! Rsrsrs.

A chuva no final da trilha foi maravilhosa.

Ricardo (Popó), tirar a sapatilha para atravessar o rio é coisa de bichôna!!!! hehehe.

ciro disse...

Rpz... tem algum karma em mim pq toda vez q tem sapiranga nunca dá pra eu ir... Sempre aparece alguma coisa + urgente, tu é doido!!

Galera,

Nao to conseguindo ver os videos. É algum problema no meu pc ou tem alguem mais aqui q nao tá conseguindo ver??

abs

Marco Vinycios disse...

Sapatilha para atravessar o rio é coisa de bichona mesmo hehehehe
muito legal esta trilha quem não foi perdeu!!!

Marco Vinycios disse...

Isso aí galera muito legal esta trilha quem não foi perdeu. Vamos pra esse pedal em Pituaçú e aguardar a maratona agora!!!!!!!!

Marco Vinycios disse...

Agora chopper com essa meia social na trilha foi foda (hehehehehehe).

Que venha esse corujão maratona.

Ricardo Pópó disse...

Tirar a sapatilha não é coisa de bichona não, acho que não subir aquela ladeirinha sim é coisa de bichona!!!! Não é!!!