Trilha em Sapiranga - Março 2012

Depois de alguns convites do amigo Welseman, finalmente resolvemos (eu e minha esposa, Pauline) encarar um pedal com o Mural de Aventuras. Afinal, esse pessoal tem fama de pedalar forte por trilhas com nível de dificuldade alto. Dessa vez, motivados pelo lugar, que ouvimos ser um dos mais bonitos e por ser uma trilha aberta em nível 3, resolvemos encarar.
Confesso que ficamos ansiosos com a possibilidade de sermos os lanternas, mas ao chegar no local logo nos encontramos com Elson, que tratou de nos receber e nos tranqüilizar: “Quem sai junto chega junto”. Com o tempo o pessoal foi chegando e logo formávamos um grande grupo com quase 30 ciclistas. Após um briefing rápido e objetivo com o guia, partimos para as trilhas. Subimos em direção ao Forte Garcia D'avila com vista para o mar à esquerda e acesso ao primeiro single à direita. Começava a brincadeira...
Logo no primeiro trecho, uma descida com muitos galhos e curvas em areia fofa, dando início à sessão de tombos. No meio da floresta, uma bifurcação em subida técnica à esquerda desafiava o grupo. Ao final, saindo em uma clareira em alta velocidade, alguns caíram sem maiores gravidade em um tanque de areia (piscina de areia). Quem conhecia o local chegou primeiro e se posicionou estrategicamente para registrar as vacas dos desavisados (vejam o vídeo). Esse era apenas primeiro de muitos obstáculos.
Seguindo adiante, atravessamos a Linha Verde e entramos em outro trecho de mata fechada, margeando o rio Pojuca. A travessia estava bastante travada e tínhamos que carregar as bicicletas em alguns momentos, causando um grande congestionamento.
Durante toda a trilha, fatos hilários iam se sucedendo.  Logo na primeira parada para fotos,  em um local belíssimo na beira do rio, Serjão gritou para todos: “Cuidado para não escorregar”, e antes de terminar a frase, já estava no chão, protagonizando uma queda sem bike no meio das pedras. Paulo Batera foi mais discreto, mas depois soubemos que ele também comprou seu pedaço de terra em Sapiranga.
Tinham dois que ficavam o tempo todo tirando sarro da condição física (ou da falta...) um do outro (e depois acabaram se degladiando por um comprimido de arrebite) kkk. Não podemos esquecer de Guga (o moleque com sua barra-forte) e sua gangue (Deco, Fruta e Kiko, acho que era isso!). Tinha gente andando clipado pela primeira vez e treinando tombo em câmera lenta.
Na sequência, saímos da mata e seguimos por um trecho asfaltado, mas fomos alertados que estava em obra e não daria para passar. Claro que ninguém deu ouvidos, e logo nos deparamos com um trator que cavou uma grande vala de um lado a outro da pista. Rapidamente cada um deu seu jeito, alguns abriram uma picada pelo mato, outros passavam a bike por cima da vala e depois pulavam. Chegamos então ao primeiro ponto de apoio, uma pequena venda com uns 5m2 que foi invadida por 30 ciclistas ao mesmo tempo, estilo self-service (tradução: salve-se quem puder), ávidos por qualquer tipo de bebida gelada. O dono nem se abalava, e continuou sentado na porta do estabelecimento como se nada tivesse acontecendo, na certeza que ao final cada um ia pagar a sua parte. Quem estava devendo coca já pagava sua dívida, e nesse ponto tivemos a única baixa do dia: A bike de Guga não aguentou o peso e a delicadeza da criança e espanou a blocagem do eixo traseiro, tendo que retornar para PF pela estrada. Ele até que tentou reparar ou revisar a bike na lojinha de material de construção ao lado do mercado... mas estava faltando vergalhão Gerdau para bike  kkk
Sapiranga correspondeu às expectativas. Lugar bonito, paisagens variadas, trechos técnicos com muito single por dentro da mata. Areião subindo, areião descendo, raízes e pedras escorregadias, alternados com alguns trechos de estradão.  Numa dessas, um degrau com uma grande raiz no meio. Foram descendo um a um, e como era o último, não via o que estava acontecendo à frente. De repente, Welseman voltou com Pita e desceram pedalando. O fodencio aqui resolveu fazer o mesmo, mas esqueci de baixar o banco e analisar previamente o obstáculo. Resultado:  um back-flip-reverso-invertido-no hands e quando me dei conta estava no meio do mato de cabeça para baixo. Elson saiu correndo em minha direção, mas depois fiquei sabendo que não foi para me socorrer, e sim para registrar a cena de um ângulo melhor  rsrsrs. Já levantei querendo subir pra descer de novo, mas me convenceram do contrário e num lampejo de bom senso, resolvi seguir o conselho.
Seguimos por uma longa subida, passamos por uma vila, outro single e chegamos às trincheiras. Mais uma parada para consertar o pneu e percebi que meu ciclo computador tinha sumido. Novo surto de insanidade, voltei cerca de 1,5 km correndo até cair na real que aquele já era. Ao voltar, já estavam todos no rio se refrescando, com direito a mergulho com bike (Davi), para felicidade dos donos de oficina... Nessa hora o sangue deu uma esfriada, senti o dedo latejando e tirei a luva pra ver o que tinha acontecido. Aí tive certeza que tinha algo errado. Rapidamente, tomei um Voltaren saído da farmácia de um colega que esqueci o nome (o cara levou uma farmácia inteira! Tinha remédio até pra dor de barriga. Salvou muita gente....). Daí apareceu uma atadura, uma tala e um veterinário, fizemos uma gambi e já estava pronto para correr trecho mais uma vez.

No decorrer da trip, muitos pneus furados, para frustração de uns e alegria de outros, que aproveitavam para descansar. Hora de um puxão de orelha do guia: A bike para trilha, além de revisada, tem que ser tubeless. Essencial para evitar atrasos e quebra de ritmo e também aumentar a segurança do próprio ciclista. Por conta dos muitos furos, a trilha teve que ser encurtada. Sprint final para o local de saída, depois de aproximadamente 32Km e  5 horas de pedal, muita diversão e novas amizades.
Final das contas: 1 dedo fraturado, uma cateye a menos e um apelido cretino. De quebra, a incumbência de escrever a resenha. Porém, acordar no meio da noite sonhando com a pirambeira não tem preço.
Sapiranga, me aguarde... Obrigado ao Mural pelo convite, nos vemos em breve. Ass.: Dedinho.
PS: Tô pagando duas cocas pra quem achar um cateye em Sapiranga. Vinícius Menezes.
VEJA O VÍDEO ABAIXO. LIGA O SOM!  
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR









































































19 comentários:

Elson disse...

Olá Pessoal,

Inicialmente gostaria de parabenizar "Dedinho" pela resenha, foi show!!! É possível lembrar de tudo!!!

Sobre o vídeo, ele está diferente de todos os outros que já fizemos, acho que está com uma visão mais voltada para os diversos momentos de diversão e integração da galera. Espero que gostem. Até a próxima! BMMP!

Anônimo disse...

Excelente!!!! A trilha, a resenha, o vídeo, enfim tudo massa.
Abcs, Ricardo Lima.

JP disse...

Elsão, muito legal o vídeo com essa abordagem bem divertida !Conseguiu dar uma idéia de como foi show o pedal !

Que capote bonito heimm ?? kkkk

Parabéns a toda a turma que participou da trilha e ao Mural !

JP

Andre Mandrake disse...

Gostei muito da nova abordagem, ficou show a parte da caixa de areia onde tinham 2 pontos de filmagem, e, a resenha tb foi muito bem feita. Como sempre o MURAL e seus simpatizantes fazendo bonito.

Alexandre Leitão Guerra disse...

Muito legal a resenha, apesar de esquecer de comentar sobre o capacete de astronauta do nosso Guga da Barraforte rsrsrs... Muito bom. Alexandre Guerra

Luiz C. Assis Jr. disse...

Galera,

A resenha está ótima e o vídeo e fotos mostram que a trilha foi excelente e, acima de tudo, muito divertida!

Parabéns ao Mural!

Luiz C. Assis Jr. disse...

Elsão,

"Com sofrimento... chega no final, mas com sofrimento!"

O capote de Dedinho eu to rindo até agora, hahahahaahhaha, foi muito engraçado!!!

E quem foi que ficou preso no mesmo lugar que teve o capote? Não identifiquei

7 ONDAS EQUIPAMENTOS PARA EVENTOS disse...

Cada trilha estar melhor que a outra. também isso é Mural menha porrahh. Valeu!!!

David Bulcão

welseman disse...

Sapiranga é sapiranga. Não tem nada parecido. Show de trilha, show de resenha. Vinícius, vamos voltar lá para resgatar o Cateye (sem capote desta vez, ok?) Vlw Galera!!!

SÉRGIO LUZ disse...

ESSA TRLHA REALMENTE É SHOWWW, MUITOS POINTS MARCANTES, COMEÇANDO COM UM BELO AREIAL, BANHO DE RIO COM DIREITO A PRESENÇA DE COMPETIÇAO DE NATAÇAO!!!RSRSS, DAVID SE LANÇANDO DE BIKE...O VISUAL NA REPRESA DE SAPIRANGA (FOTOS) ESTÁ FASCINANTE... O VIDEO (PARBÉNS ELSON), OU SEJA, OS VIDEOS PRODUZIDOS ESTÃO CADA VEZ MELHORES. PARABENS PARA NOSSO AMIGO VINICIUS (DEDINHO), A RESENHA ESTÁ MUITO MASSA, (O CALANGO TA FELIZ)RSS. BMMP. O BANNNER ACIMA DO "CORUJÃO 7", SEM COMENTÁRIOSS, SSHHHHOOOOWWWWWW!!!

Augusto Santos disse...

Show de bola.... Quer dizer, de Pedal !!!
Parabéns galera por mais essa trilha maravilhosa... Qualquer dia desses nós do Pojuca Bikers estaremos aí com vc's também fazendo uma de suas trilhas....
Um forte abraço,
Pojuca Bikers.

odair disse...

Parabéns "Dedinho" pela resenha, vc fez em me sentir em Sapiranga. Um forte abraço a todos.
Odair
Selca!!!!!

Gil Chaves disse...

Excelente trilha, resenha completíssima (Dedinho abordou praticamente tudo que ocorreu em Sapiranga), filmagens, trilha sonora e comentários pertinentes.
O cara da farmácia sou eu (segui as orientações do mestre Elson - e olha que salvou pelo menos uns quatro nessa aventura).
Muito bom, preciso repetir essa trilha.
Abraços,
Gil Chaves

Lucas Goes disse...

Rpz, vendo as fotos e video bate uma saudade dessa galera!
Fico feliz por estar rolando trilhas tão divertidas e descontraidas quanto essa. Não vejo a hora de voltar...
Abração a todos

Marco Vinycios disse...

Valeu aos que compareceram a trilha, espero em breve estar de volta com tudo!!!

Dedinho seu capote foi show!!!! a Filmagem filcou muito boa.

Caleu galera.

Qua a vontade de pedalar nunca passe!!!

Claudiney Souza disse...

Esse percurso em Sapiranga é muito massaaaaa!
Eu já fiz e aprovo, acho que é a ideal para quem tem o desejo de tentar acompanhar essa galera do mural rsrsr. O vídeo ta showww e realmente passa a ideia de como foi emocionante. Sempre estou vendo o que vcs estão aprontando e dentro desta observação lá vai a ideia como hj tem o troféu roda presa deveria nascer o brinde do melhor capote do ano Ex: do Vinícius Dedinho do Pita na trilha da tiririca eu acho e do Piau em varias que já vi.
Abraço a todos dessa família e não parem de pedalar
Pedalar emagrece rsrsr

Claudiney Souza disse...

Esse percurso em Sapiranga é muito massaaaaa!
Eu já fiz e aprovo, acho que é a ideal para quem tem o desejo de tentar acompanhar essa galera do mural rsrsr. O vídeo ta showww e realmente passa a ideia de como foi emocionante. Sempre estou vendo o que vcs estão aprontando e dentro desta observação lá vai a ideia como hj tem o troféu roda presa deveria nascer o brinde do melhor capote do ano Ex: do Vinícius Dedinho do Pita na trilha da tiririca eu acho e do Piau em varias que já vi.
Abraço a todos dessa família e não parem de pedalar
Pedalar emagrece rsrsr

Sandrão, Marcelo e Gerry. disse...

Pessoal, sempre acesso e acompanho algumas de suas belas aventuras e gostaria que postassem o mapa desta trilha de Sapiranga. Abraços Sandro Marques, Feira de Santana, Ba.

Sandrão, Marcelo e Gerry. disse...

Pessoal que trilha fantástica, gostaríamos que postassem o mapa desta trilha, tenho um grupo de amigos bikers em Feira de Santana e pretendemos explorar. Abraços Sandro Marques.