3˚ Dia – Trilhas do Brasil Ride (Chapada Diamantina)

3º dia de emoção a ser encarada na Chapada. Com o joelho ainda inchado da queda do primeiro dia, e as emoções ainda em alta do segundo dia, acordei com fome, o que todos que me conhecem sabe que não é normal, pois inicio sempre meu pedal de estomago vazio, mas nesse dia com um café da manhã pra lá de bom no CT DA GANTUÁ, me jogo em vários pães com ovos kkk, foi minha perdição, com o estômago cheio o enjôo veio em alta, antes mesmo se começar a pedalar.
Assim que começa o pedal vejo que a primeira brocação é pelo asfalto, fui ficando pra trás e piorando o enjôo cada vez mais, quando penso em voltar de tão mal que estava, encontro JP e RENATO que estavam me esperando, pra saber o que eu tinha que estava me arrastando srsrs, expliquei a situação e cuidei de passar logo meus GU, SALZINHO, GATORADE e tudo que podiam aproveitar no pedal pois eu ia voltar, mas ficaram me falando que eu aguentava e tal´s que eu desse um tempo, e que tudo ia ficar bem srsrs, passados uns 10 minutos resolvo seguir com eles mesmo passando mal, consegui me recuperar e seguimos me frente por mais um trecho do BRASIL RIDE um retão de asfalto, que deve ser o sonho dos SPEEDEIROS rsrsrs.
Entramos finalmente nas trilhas e como sempre cada lugar lindo, acabamos por fazer um perdidão, que nem o mapa de ALAN nos salvou, mas descobrimos trilhas novas no estilo Mural de Aventuras, numa descidinha daquelas bem técnicas, vou na frente e JP me seguindo, um monte de vala escondida no meio do mato, pois no local não passava nada nem ninguém fazia tempo, de repente ouço aquele barulho de capote, QUE FOI? QUEM CAIU AI? Alguém fala foi JP, mas ele ta bem kkkk, capotou por cima da bike, mais na frente voltando da descoberta da trilha nova, e pum-páá-tibum Rei se choca com um pé de Alface e cai gemendo igual mocinha, paramos pra socorrer o parlamat e na hora de voltar, xiii perdidos novamente rsrsr.
Achamos o caminho de volta pro asfalto de volta pra casa, e o que vejo e fico abismado, um rapazinho de 22 anos, pongado no vácuo de um senhor de 50 anos, foi a volta inteira colado com o tio, no momento que ele achou que ia escapar, sentiu o vento na lata desistiu e voltou pro vácuo novamente do tio, até entrar na cidade.
 Os três dias na Chapada Diamantina, superou todas as outras em emoção e dificuldade, pois nas descidas e subidas de pedra, os braços cansavam antes das pernas, algo novo pra muitos de nós, mas é uma aventura que é obrigatória a participação quando acontecer novamente. Valeu Gantuá! Bora Mural!!! Josué.

VEJA O VÍDEO ABAIXO. LIGA O SOM!  
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR























































5 comentários:

JP disse...

È isso ai Josa, agente não ia sair daquele lugar sem vc cara!
Esse dia foi mto legal tb, trilha nova, tombos, tiririca por todo lado ehehe !!
BMMP!!

Ed disse...

Pow Josa dei foi risada com sua resenha rsrs e que história é essa de ser derrubado pelo pé de alface rsrsrs e essa do vácuo do tio foi demais kkkk tiozinhos do Mural não vá que é barril vai ficar para trás ...
Parabéns Mural e Gantuá por essa aventura Épica

Bruno Batera disse...

Porra, muito massa. Só de pensar que eu estaria lá este fds, fico triste. A próxima vez eu não perco.

Bora Mural!!!

josa disse...

EDI, quem caiu quando se bateu no pé de alface,foi REI,e o vácuo foi cruel cara, colado no tio o tempo todo srsrs

Ed disse...

Eu sei Josa...quer dizer que Rei caiu num pé de alface rsrsrsr há quem diga que foi num pé de Coentro,vi a foto kkkk que bom que vc se recuperou e pode aproveitar o 3º dia com essa galera na chapada Diamantina!