Trilha na Ilha de Itaparica - Pedal no Mangue

Mais uma trilha TOP 5 estava para vir e aquela velha ansiedade começava a tomar conta dos meus sentimentos. Sexta-Feira dia 22/03/2013, finalizando o dia logo após o trabalho, indo para casa, passo no mercado para comprar os lanches para a trilha e enfim chegar em casa para descansar... pensa que a agonia acabou? Iniciava agora os preparativos... Vai conferir se esta tudo certo com a bike, arrumar a bike de um dos caronas (Bruno – Cangaceiro) no carro, arrumar os lanches, arrumar as ferramentas na mochila, separa a roupa, confere se todos os itens de segurança estão agrupados para não esquecer nada.... e agora, vamos dormir correto? Que nada!! Deita para dormir e ansiedade só aumenta, vira para um lado, para o outro e nada de apagar.. olha no relógio e as horas passando e nada de dormir para descansar.. até que quando se menos espera, toca o alarme!! É hora!!!! Vamos se arrumar..  tomar banho, vestir a roupa, tentar comer alguma coisa, verificar novamente se esta tudo perto da saída para não esquecer nada e enfim, vamos para a trilha!
Marcado com Bruno (Cangaceiro) para buscá-lo as 4h45, saio de casa pego e ele e vamos buscar o outro carona, Adriano. Bikes arrumadas no carro, partiu Ferry!!
Chegando lá como um bom pônei maldito, esperamos que o estacionamento fosse aberto para que possamos descarregar o carro e ir comprar as passagens... mas quem disse que o estacionamento abria? Já estava a maior fila na porta com os carros de: Fernando, o meu, Herrera e Serjão e nada de estacionamento abrir, ate que Herrera disse que achava que havia um estacionamento lá fora. Então largamos as bikes com os outros e fomos atrás desse estacionamento. Achamos bem em frente à feira de são Joaquim, caro, mas enfim era o que tinha... conforme Elson falou, o ferry não espera.
Todos com as passagens compradas, vamos adentrando ao ferry e nos acomodando na frente, logo atrás da corrente. Assim que o ferry saiu, fomos tomar o café da manha, ate porque se não comer não pedala.
Chegamos ao nosso destino, Terminal de Bom Despacho, Ilha de Itaparica, vamos iniciar a trilha, correto? Que nada! Deu uma dor de barriga generalizada em alguns participantes que teve até fila no banheiro do terminal rodoviário, não vou citar nomes, porque senão não vai caber na resenha. rsrsrs...
Enfim iniciamos a trilha pegando o asfalto em direção a Ponta de Areia, todos frios, se esquentando, mas já tinhas as ladeirinhas... entramos para uma trilha em local novo, desbravando mais caminhos, até que chegamos a uma praia, pedalamos um pouco sob a areia e voltamos para a trilha.. logo mais a frente, JP me aparece com um caminho, que tinha que subir um ladeirão meio asfalto, meio terra que era inclinado e compriiiiido, mas vamos La!
Enfim, chegamos à igrejinha de costume, um local muito agradável que sempre paramos para dar uma relaxada e assim continuar a trilha, né Elson? Que nada ele só dizia que a trilha estava apenas começando!!! E essa frase se repetiu muitas e muitas vezes... rsrsrs.
Vamos nessa, próximo destino? Vilarejo de Maniçoba, mas antes de chegar, tivemos que realizar um pitstop em uma biboquinha (barzinho) no caminho, que havia um fato interessante para o nosso amigo Rato (que ainda não voltou para as trilhas), um cidadão completamente embriagado, parecendo que era um defunto morto no chão, bem na passagem, quase que alguns passaram por cima do cidadão. rsrsrs..
Enfim chegamos à Misericórdia, vamos direto para o píer parar para apreciar a paisagem, tirar umas fotos e vamos beber mais uma água, pois no último ponto de parada não tinha suficiente. Mas acabamos sendo presenteados com uma coca-cola do nosso amigo e cupixa de Mandrake, Gilmar! Vamos beber!!
Todos reabastecidos, voltamos para a trilha até que aonde chegamos? No bendito mangue! Oh infelicidade essa parte!! Eu e Gilmar fomos os únicos a não pedalar no mangue, pois não queríamos que as nossas bikes ficassem inteiras de lama e sal. Fomos então caminhando com a bike nas costas, devagar e ouvindo o bullying que já estava rolando com a gente, mas tudo bem.
Logo após o mangue, fizemos um single track que havia uma descida massa! Quando cheguei no último metro da descida, peguei um caminho errado e tive que pular uma pedra..... aconteceu então a bagaceira!!!! Quando aterrissei com as rodas juntas no chão, a roda da frente teve a infelicidade de bater logo na emenda, resultando na sua quebra e conseqüentemente a minha queda, queda é maneira boa de se falar, foi um capote digno de brocação!!! Rsrsrs.. quando estava voando, só ouvi o psiiiiii, pensei logo, droga! Furou o pneu e perdi o liquido, vou ter que colocar câmara... mas então aterrissei no chão e sentado olhei para a minha querida bike e a roda estava um “L”, literalmente, pensei logo.. e agora? Estou aqui no meio do nada.. vou ter que caminhar até o asfalto? Me ferrei! Entretanto quem tem Mandrake numa trilha, não tem com que se preocupar, ele olhou pra roda, e disse: “Vamos arrumar ela Helinho, fique tranqüilo” e La foi ele e Rei realizar cenas fortes com a pobre da roda, Mandrake em cima da bichinha e Rei o segurando para que ela voltasse ao seu estado normal... Mas para aqueles que não crêem em Mandrake, agora tem que orar por ele... o cara arrumou, ajeitou o aro para não furar a câmara, colocou a na bike e já estava pronta para outra! Com um certo molejo, mas consegui terminar os próximos 25 ou 30km com ela desse jeito. Mandra, Obrigado mais uma vez! Você é o cara!
Vamos voltar pra trilha, mas não esquecendo da praga que disseram que quem não pedala no mangue coisas ruins podem acontecer.... #FICA A DICA! RSRSRSRSRS.
Continuamos e chegamos a Bica que liga e desliga, mas pela seca que esta acontecendo aqui na região, não era possível, o nível da água estava muito baixo, mas vocês acham que isso é problema para o Mural de Aventuras? Que nada! Vamos então tomar banho direto da fonte! Todos para dentro do lago!!! Partiu!
Renovados, vamos para o próximo ponto, a igreja abandonada! Tiveram muitas subidas e descidas, mas pra mim a diversão de brocação tinha acabado, pois estava com medo da roda abrir novamente... e teve dizendo que pedalei melhor depois que a roda quebrou..rsrs... Na igreja, decidiram que não iríamos para baiaquivis (vilarejo de baiacu),  que para mim foi até melhor, com aquela roda, descer aquilo tudo sem poder soltar o freio, iria ser ruim, mas confesso que a subira era bem pior.. rrsrsrsrs.
Fomos então em direção ao feijão, quer dizer a casa do tio de Rei, em Barra do Gil.. mas o caminho era na maciota e a fome só aumentando..
Chegando La, o feijão já estava cheirando, mas claro que antes, fomos tomar o velho banho de mar... (Eu, JP, Welligton, Adriano e Serjão)..
Comemos o feijão, que mais uma vez estava show! Tomamos a querida Coca-Cola, alguns tiraram uma pestana e partimos de volta pro ferry, pois o dia já estava perto do fim...
Todos já dentro do ferry, cansados do dia quente, nos sentamos e esperamos chegar de volta a nossa salvador, mas sim, realizados por mais uma trilha TOP 5!
Valeu Mural! Já estou na expectativa para a próxima! Hélio Sampaio.
VEJA O VÍDEO ABAIXO. LIGA O SOM!  
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR





































































A PÉROLA!


3 comentários:

Elson disse...

Trilha na Ilha de Itaparica e pedal no mangue é a cara do Mural de Aventuras!

Hélio parabéns pela resenha! Muito boa! Outra coisa, não é "praga" não, é MALDIÇÃO mesmo! Espero que tenha aprendido a lição! Hehehe.

Bora Mural!

Ed Bala disse...

Essa trilha em especial é uma das melhores que tivemos o privilégio de participar com o Mural de Aventuras.Podem nos chamar de loucos, mais pedalar no mangue foi demais rsrsrsr(tirando a parte das revisões da bike).E Hélio da px caia no mangue logo pq se não fosse mandrake ,o nosso magayver de plantão não teria terminado a trilha.

Mateus Alves Neiva disse...

Helinho, parabéns pela resenha e outra coisa: da próxima vez passe pelo mangue pedalando, ou então ..........heheheeheehhe