2° DIA EXPEDIÇÃO TRANSALPES: de Imst (Áustria) a Ischgl (Áustria)

Apesar da dificuldade de expressar todo sentimento que envolve uma Expedição, gosto muito de falar sobre isso. Ao escrever uma resenha como esta, penso que daqui a alguns anos poderei ler e novamente “viajar” nas aventuras que um dia realizei. 
Antes de descrever como foi o nosso segundo dia em terras Austríacas, confesso que pensava não poder existir aventura maior do que a Expedição do Deserto do Atacama, que realizamos em 2012. Esse foi um dos principais motivos da dificuldade de encontrar um roteiro tão bom quanto para a expedição de 2013.
Outro aspecto que me deixou confuso foi o fato de ir para um lugar tão longe do Brasil, nunca imaginei fazer isso. Acho que viver o Mural de Aventuras nos faz derrubar muitas barreiras. O que estaria fazendo se não fosse isso? Uma coisa é certa, me realizo a cada aventura, sou cada vez mais feliz em todos os sentidos.
Transalpes!!! Porque fazer o Transalpes? Inicialmente foi o fato de passar por quatro países que me chamou mais atenção, diferentes povos, lugares, línguas, relevos, arquiteturas, histórias, culturas, tudo isso misturado com muitos desafios, recheados do melhor do mountain bike! Tem também os Alpes, os famosos Alpes suíços! Cadeia de montanhas que se estende para ainda outros países como Alemanha, Áustria e Itália.
Mas vamos para a nossa aventura do segundo dia.
Dormimos todos em um mesmo quarto, sorte que existia uma boa varanda para deixarmos as roupas secando e outras tralhas que levamos. Na noite anterior lavei o uniforme do Mural e mesmo ainda úmido vesti no dia seguinte, isso é um costume nas expedições. Acho que devido ao cansaço, teve expedicionário que não lavou a roupa, e repetiu a mesma, imagina a que situação chegamos a ficar...
Antes de iniciarmos o pedal, tomamos um reforçado café da manhã e fizemos a primeira foto em frente ao hotel. Imst é uma pequena cidade extremamente agradável, uma pena não poder ficar mais tempo.
Imaginava que dali para frente teríamos um trajeto um pouco menos desgastante do que o dia anterior, mas não durou muito. Estávamos seguindo a rota do gps, quando observei um ciclista iniciando uma subida do lado esquerdo da estrada, me chamou a atenção uma placa que mesmo estando em austríaco e sem entender quase nada, existia uma foto de uma linda Igreja no alto de uma montanha, achei que poderia ser interessante e iniciei também a subida seguido por Rei, Maurão e Serjão.
Essa subida foi dura, até porque passei a acompanhar o ciclista que estava sem o peso dos alforjes. Subimos muito, mas o esforço foi recompensador, chegamos em um lugar muito lindo com uma Igreja no meio de um verde gramado e mais no alto um castelo no topo de uma montanha ainda mais alta, era tão bonito que parecia não ser realidade. O local tinha o nome de "Gasthof Kronburg" e também possuía um restaurante onde aproveitamos para experimentarmos a deliciosa cerveja local. Era só o início do nosso trajeto do dia, mas já havíamos vivenciado várias emoções.
Fora da rota do gps, seguimos viagem rumo a Ischgl e durante o caminho, percebi o alto grau de religiosidade da populacão local, a cada poucos quilômetros encontrávamos com imagens escupidas em madeira de Jesus Cristo. Aproveitamos para pedir proteção a nossa aventura.
Após um downhill pelas estradas que serpenteavam as montanhas, encontramos novamente a rota do gps e chegamos a cidade de Landeck. Era domingo e as ruas estavam desertas, passamos pela cidade e quando começamos a subir novamente, decidimos voltar e procurar um lugar para almoçar. Foi uma acertada decisão! O que nos esperava pela frente, seria algo até então ainda mais difícil. Conseguimos encontrar um restaurante aberto de um hotel e comemos lasanha a bolonhesa. Sem descansar, subimos nas bikes e partimos ainda de barrigas cheias.
A ladeira parecia não ter fim, inacreditável ter estradas em lugares tão altos nas montanhas. Fato interessante foi quando, após subirmos uma parte ainda mais inclinada, paramos para respirar ao lado de uma pequena igreja e logo em seguida a janela se abriu. Era uma senhora que ao perceber o nosso cansaço, ofereceu água e perguntou se precisávamos de algo. O que queríamos mesmo é chegarmos logo ao topo do passo. Após mais de duas horas subindo, entramos em um single track no meio de uma floresta de pinheiros, era um lugar único! Muito bonito, mas ao mesmo tempo perigoso. O caminho estreito com precipício ao lado, tornava a aventura ainda mais arriscada. Como tenho medo de altura, redobrei a minha atenção e em alguns trechos empurrei a bike.
Bem no alto, encontramos uma cachoeira com uma pequena ponte de madeira, aproveitamos para beber água, era muito gelada e gostosa (água do degelo), bebíamos água sempre das cachoeiras ou bicas criadas nas vilas e cidades por onde passávamos. Isso foi muito bom, pois durante a expedição não tivemos custo com hidratação.
Quando começamos a descer, fomos surpreendidos por um ciclista em sua bike full. Ele mostrou o caminho correto e começamos a tentar acompanhá-lo, mas ele desceu muito rápido o grande downhill e por causa dos alforjes, tivemos que conter a nossa onda e em muitos momentos segurar a bike para não cair no barranco. Esse lugar foi fascinante, um verdadeiro parque de diversões para quem gosta do mountain bike, confesso que fiquei agoniado por não poder “brocar” devido ao peso na minha bike.
O nosso objetivo do dia era chegarmos próximo a cidade de Samnaun na Suíça para montarmos acampamento, mas já passava das 20h. Sabia que para chegarmos a Samnaun teríamos de subir mais de 1.000 metros de altimetria. Então Ischgl (Áustria) passou a ser o nosso destino final. Senti uma frustação de não cumprir o roteiro e poder acampar naquele dia, mas as condições adversas que estávamos enfrentando levavam e essa situação.
Ischgl parecia não chegar nunca, estávamos muito cansados. A trilha acompanhava do alto a estrada principal de asfalto, era muito linda e passava por dentro de vilarejos. Era quase 21h e ainda restava quase uma hora de sol quando tivemos que fazer mais uma parada para descansar. A fome tinha apertado, lembro que passamos a comer tudo o que tínhamos em nossas bagagens, foi a nossa salvação.
A primeira impressão de Ischgl foi meio desanimadora, a cidade estava totalmente deserta. Apesar da grande quantidade de pousadas e hotéis, todos estavam fechados, não havia ninguém nas recepções. Era muito estranho, mas o motivo para essa situação foi que apesar de restar um pouco da luz solar, já era quase 22h (os dias eram bastante longos). Resolvemos distribuir os rádios e nos separar para encontrar opções de hospedagem, a nossa relativa tranquilidade era porque tínhamos levado barracas, de uma forma ou de outra teríamos onde dormir...
Eu e Serjão fomos para o lado oposto da cidade, enquanto Rei e Maurão buscavam informações em uma central de atendimento automatizada voltada a turistas. Descobrimos uma rua com alguns restaurantes abertos e em um deles, que também era hotel, conseguimos hospedagem. Tratamos logo de pedir quatro big chopp’s e pizzas para comemorar a nossa chegada. Esse foi apenas o segundo dia, ainda faltava mais seis de muitas descobertas. Aguardem!!!
Irmãos expedicionários: Maurão, Rei e Serjão, sem vocês essa aventura não seria tão maravilhosa, obrigado a todos pela companhia.

Ainda hoje sonho com os Alpes e penso que foi um sonho, daí acordo e me lembro de tudo o que passamos, uma experiência incrível que nunca tinha imaginado fazer, mas que se tornou realidade graças ao Mural de Aventuras e aos apoios que recebemos.  Um grande abraço, Elson.
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR















































































































7 comentários:

Rei disse...

Resenha show e fotos maravilhosas!!! Me senti lá novamente. Neste segundo dia eu ainda estava bem... no dia seguinte uma dor de garganta me acabou!!! Mas eu faria tudo da mesma forma... foi incrível... ainda bem que ano que vem tem mais!!! Valeu Mural.

JP disse...

poooo uma imagem mais linda que a outra!! Parabéns galera, vcs são guerreiros!

Plech disse...

Fantástico!!! Parabéns pela expedição.
As fotos mostram o visual incrível por onde vocês passaram.

Giulyano disse...

Fica até difícil imaginar cruzar tudo isso, com toda essa bagagem. Essas imagem realmente parecem postais, show. Parabéns a todos!! BMMP!

Ed Bala disse...

Show de bike...que lugar incrível! Aliar essa paisagem com o prazer da pedalada não tem preço. Parabéns Mural.

Vinícius Calheira disse...

Resenha show de bola! Após a ler acompanhei as lindas imagens e imaginei passo a passo desta aventura. Deu para perceber o quanto foi inesquecível para vocês, parabéns Elson, Rei, Serjão e Maurão.

Vinícius Calheira disse...

Resenha show de bola! Após a ler acompanhei as lindas imagens e imaginei passo a passo desta aventura. Deu para perceber o quanto foi inesquecível para vocês, parabéns Elson, Rei, Serjão e Maurão.