8° Dia Expedição TransAlpes: de Tione de Trento (Itália) a Riva Del Garda (Itália)

Oitavo e último dia... após uma semana, parecia que estávamos ali a mais de um mês devido os inúmeros acontecimentos e novidades vividos durante toda a expedição. Estava sendo incrível e a sensação era de estar dentro de um documentário sobre os Alpes ou num quadro pintado por algum artista renomado.
Mas ainda faltavam alguns quilômetros para comemorarmos a vitória. E finalizaríamos com chave de ouro, afinal o destino era o Lago de Garda, o maior e mais profundo (300m) lago da Europa, famoso pelos esportes radicais e temperaturas elevadas, ideal para aproveitar o verão europeu.
Acordamos um pouco mais tarde e mais tranquilos para iniciar este último trecho. Tomamos café da manhã mas comemos pouco pois fomos convidados para uma feijoada na casa de uma família brasileira que conhecemos no dia anterior. Que maravilha sentir aquele gosto novamente, principalmente longe do Brasil e após dias comendo spaguetti ou salchichão. A feijoada foi servida na casa de campo da família lá nas montanhas ao redor da cidade de Tione de Trento. Fomos de carona, pois subir aquilo tudo para depois descer, seria muito sofrimento!!!
Satisfeitos e agradecidos tivemos que partir. Sabíamos que seria mais descida do que subida, porém, durante o pedal, uma surpresa: mais um “passo”, o último. Era o passo del Ballino, a 750m de altitude. Até chegar neste ponto pedalamos por estradas secundária de belíssimas paisagens onde quando em vez cidades pequeninas encantavam com suas casas de campo ricas em detalhes e jardins caprichados como num concurso da casa mais bem conservada.
Após o passo, só alegria, descida até o destino final. O grande lago ia aparecendo aos poucos a cada curva entre as montanhas. A vontade de chegar entrava em conflito com a vontade de fazer fotos então eram inevitáveis as paradas para fazê-las. O ponto alto das paradas foi um castelo medieval. Os carros que nos ultrapassavam buzinavam e acenavam.
Chegando em Riva del Garda, cidade mais ao norte do lago de Garda, ficamos surpresos com a quantidade de turistas e como a cidade está preparada para atende-los. Tínhamos que ir para Milão no dia seguinte pois sairia de lá nosso voo mas todos topariam fazem o sacrifício de aproveitar mais aquele paraíso.
Rodando um pouco mais para conhecer a cidade somos abordados por um brasileiro casado com uma italiana disposto a nos ajudar, principalmente com hospedagem. Fomos então para o centro de informação ao turista e para nossa alegria, no estacionamento ao lado, carros, trailers e caminhões das melhores marcas de bicicleta do mundo. Era a competição TRANSALPES que havia acabado de terminar naquele dia. Conhecemos então o Carlos, que havia participado e completado a prova. O engraçado foi nos aparecermos durante o almoço de confraternização e todo mundo, mas todo mundo mesmo olhando para aqueles 4 malucos com as bicicletas completamente carregadas com alforges e barracas.
Foi então a hora que o brasileiro fez a sua declaração. O camarada disse ser dono de um hotel ali nas margens do lago a 8 km de distância, mas no nosso caminho para pegar o barco no dia seguinte. Estávamos cansados e sem opções, então aceitamos. Hospedagem garantida era hora finalmente de brindar o êxito da expedição, “birra”. Sentamos em um dos inúmeros restaurantes das alamedas em que só se transitava a pé ou de bike. Comemos, bebemos e olhamos a vida dos outros até anoitecer... a noite a cidade completamente iluminada era ainda mais contagiante. Os bares e restaurantes estavam lotados. Na ida para o hotel a galera começou pedalando em zig zag mas quando chegamos na estrada melhorou, já estava todo mundo em linha reta.
O hotel era um espetáculo, e naquela noite havia um happy hour com um tocador de blues. Não deu outra, Serjão pegou sua gaita e foi dar uma canja. Eu estava cansado ainda por conta da gripe e não acompanhei este momento. O pessoal adorou, claro. O dia seguinte pedalamos apenas 8 km para embarcar no ferry-boat rumo a Densenzano para pegarmos o trem para Milão. Foi um belo passeio de uma hora e meia cortando o lago de Garda de uma ponta a outra. Já no trem, vacilamos, não sabíamos que tínhamos que validar a passagem e o cobrador nos multou. Típico de turista amador.
Foi isso ai pessoal, a equipe Mural de Aventuras no Transalpes foi de apenas 4 aventureiros mas a emoção, a amizade e o companheirismo foi de um batalhão. Agradeço aos participantes e à todos aqueles que torceram e rezaram por nós.
Em 2012 estivemos no Atacama e ficamos na expectativa de fazer uma expedição ainda mais incrível, conseguimos. Esta será a meta para 2014, escolher um destino ainda mais emocionante e desafiador do que os Alpes. Preparem-se, logo mais será anunciada a Expedição 2014. Grande abraço, REI.
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR



































































































































3 comentários:

ze.bezerra disse...

Lugares escolhidos a dedo e reunidos em uma região, quase não dá pra acreditar! Talvez seja arte do fotógrafo. De qualquer jeito muito lindas as fotos. A resenha Rei daquelas que acende a vontade de um dia fazer uma aventura tão maravilhosa. Parabéns a todos os expedicionário.

Rei disse...

Escrever a resenha é um privilégio além de fazer a gente voltar no tempo e reviver cada instante... essa aventura foi inesquecível. Que venha 2014!!!

Ed Bala disse...

Rei e Mural de Aventuras esse dia de descontração e hospitalidade dos fãs do Mural deve ter sido revigorante e muito animador...Serjão deu até uma canja com a gaita. Parabéns a Vcs e que bom que compartilham conosco por meio desse relatos incríveis!Quanto as imagens por si só elas dizem tudo...