Trilha Riachão - O Desafio Vale do Jacuípe

Sexta-feira, aquele clima bom de fim de semana, pedal a vista e de upgrade um fim de semana na fazenda, ou seja, animação total!!! Caiu a noite, partiu pegar BR rumo a Riachão do Jacuípe!!! Todos já chegaram na fazenda da Muralete Carla Dias animados e famintos, sem problemas, como boa anfitriã, ela deixou a mesa farta e todos nos reunimos pra um bom papo e uma ótima refeição. Alimentados, cada um já pegou seu rumo pro descanso merecido porque no outro dia Elsão disse que acordaria a todos 5:30.
Clima de fazenda, o galo já tinha cantado, mas o Sol não tinha raiado ainda, já estávamos todos de pé ao redor da mesa tomando café em mais um baquete farto (sem problemas essa comilança toda porque a trilha era longa e ia gastar todos nossos créditos calóricos). Bem alimentados, aquele corre-corre animador de arrumar mochila, vestir a armadura do Mural, arrumar a bike e seguir pra cidade pra encontrar a galera da região que iria nos guiar no percurso do DESAFIO DO VALE DO JACUÍPE – 70KM (que virou 80km no final).
Já chegando na cidade, 1ª coca garantida por Luiz, furou o pneu do carro. Pneu trocado, chegamos a praça, encontramos a galera gente boa do Grupo Pedalada Velozes e partiu trilha!!! Sem deixar de parar na frente da igreja da cidade pra tirar uma foto da galera toda unida.
Primeiros kms e lá vamos nós enfrentarmos o sol do sertão, seus cactos e tão temidos “cabeça de touro” (Só tinha eu sem o pneu entubado, todos animados pra ganhar minhas cocas...).
O sol não apareceu em céu azul, estava um pouco nublado, mas não menos quente e seco. Visual completamente diferente do que vemos pela linha verde, mas todos super animados e achando o máximo. Afinal, o importante é pedalar junto porque a resenha é garantida. Passamos por alguns single tracks e 20km depois o pedal de Naydson quebrou, para não perder o pedal ligou para loja VBike que mandou o socorro “mecânico delivery” em plena trilha, muito bom! Foi a salvação!
Subidas, descidas, fomos “tocando” gado pelo caminho, admirando os cactos e chegamos a um lajedo massa com super parada pra foto de todos. Parada estratégica, todos repondo o carbogel e lá vamos nós continuar.
Passamos por vários corredores de valas e vegetação fechada, era hora de mostrar técnica, e nisso Cerqueira é fera, sobrou experiência e ele ensaiou um vôo com a bike, joelho ralado e calça rasgada, levanta, sacode a poeira e vamos em frete...hehehehe
Mais um pouco a frente, mais coca-cola, dessa vez foi a corrente de Carla Guimarães que quebrou. Para e espera e nessa hora uma briga danada pelas pequenas sombras da beira da estrada. Power link colocado, todos prontos pra seguir e eu (Boca de afofô sem tamanho) comentei “já foram 35 km e nem furei o pneu ainda”...gritei em seguida “PAAAARRRRAAAA, meu pneu furou!!!” (pensei comigo mesma, “pra que fui abrir minha boca?!). Enchemos o pneu e seguimos mais 2kms pra parar num vilarejo pra repor a água e colar o pneu. Camelback abastecida, coca tomada, pneu colado, sigamos rumo a Ichu, terra natal de Dias. Depois de mais abre e fecha cancela, sobe e desce morro, e tomar uma carreira de umas vacas, exaustos chegamos a Ichu. Mais uma parada pra água e pra tentar amenizar as dores e cãimbras tomamos isotônicos e energéticos pra seguir mais 28kms, e o odômetro já marcava 52km. Partiiiiuuuu...Exausta avistei uma pequena vila e pedi a Deus pra ser Riachão, não era, paramos pra descansar e mais uma coca na minha conta, pneu furado de novo!!! E minha duas pernas travaram de dor, consegui gelo no boteco onde a galera entrou pra comer tripa frita e tomar uma cerva enquanto colava meu pneu mais uma vez...Faltam só 15km, em coro eu e mais uns 4 gritamos: “Só??? Aguentamos mais nada!!” mas como disse nosso líder “empurra mas não desiste”. Partiuuuuu...e último trecho desse Desafio top que amamos, contei com a ajuda divina de Elson que pedalou por mim e por ele, uffa!! foi avistado Riachão e pude perceber uma felicidade na voz de todos e um brilho no olhar em ver esta cidade tão esperada... hehehehe. Paramos na loja VBike pra reunir a todos e demos por falta da expedicionária Sabrina, todos preocupados com ela porque estava sozinha e então ligamos, quando ela disse: “Guga está comigo!” Todos mais uma vez em coro (eu mal falava e já estava desmaiada na calçada) : “Oxe, ninguém lembrou de Guga!!! hahahahaha” (tadinho)... enfim, chegaram os perdidos, seguimos pros carro, felizes, realizados e muito agradecidos a Naydson, Diogo e a toda galera massa do Pedalada Velozes por esta trilha maravilhosa!!! Nada se compara a essa sensação de dever cumprido (e comprido) hauhauahauhauaa. Até a próxima, Galera mil grau!!!! Mara.
VEJA O VÍDEO ABAIXO. LIGA O SOM!
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR









































































































































































3 comentários:

Iane Sabrina disse...

Essa trilha terá vaga garantida no calendário do Mural. Mara, você soube expressar exatamente como foi. Cerqueira, a vontade de fazer novamente aumentou. A galera de Richão e Carla nos recebeu muito bem. Mural é isso. Aventura, companheirismo e muita superação. "Tamo junto". Mil grau!

Ed Bala disse...

Muito bom galera!Video ficou show!

Antonio Cerqueira disse...

Maroca, apesar da dureza que foi a trilha vc mostrou nos detalhes da sua resenha que seu cérebro estava bastante oxigenado...rs
O entrosamento dos muralistas com a turma de Riachão (GP Velozes) que nos recebeu foi mágico, bom demais.
Agradecimento especial a nossa muralista super anfitriã Carla Dias ! E que venham as próximas!