2° DIA CICLO AVENTURA COSTA DO DENDÊ: Boipeba, Moreré, Torrinhas a Valença

Às 7:00hs  todos reunidos no maravilhoso café da manhã da pousada em Boipeba, quando de repente o nossos colegas Plech e Sabrina chegam com uma má notícia: bikes quebradas, informando que o passeio tinha terminado por ali. Tentamos de tudo mas sem sucesso. Entretanto, para não perder o passeio, todos decidem ir caminhado ao ar livre, apreciando a vila, cortando as fazendas de coqueirais em destino a bela praia de Moreré, caminhamos pelas areias, atravessamos riacho, paramos para tirar fotos nos belíssimos paredões de belas rochas.. muito show!!! Em um vilarejo, sentamos debaixo do sombreiro de palhoça e resenhamos por horas... no meio da resenha surge o fato mais democrático com o nosso líder e coordenador. Foi debatido um ajuste quanto à questão do barco, após várias sugestões e esclarecimentos importantes, chegamos todos juntos uma solução plausível.

Fomos a  praia e nos divertimos no belo dia de sol regado a caminhadas pela beira da linda praia que nos presenteava com sua natureza.
No início da tarde decidimos retornar a pousada, movidos por mais uma aventura surpresa, foi fretado um trator ônibus que somente ele tinha a capacidade e força para trafegar entre lamas, areias densas e riachos. A expressão de Jampa contagiava a todos ao afirmar o quanto era incrível a trajetória até a vila de Boipeba. Fotos, risos e muita emoção fizeram parte do caminho espetacular coberto de belas paisagens. Não houve parada, fomos direto pra a pousada pra pegar as mochilas, bikes e em seguida partimos para o barco que nos aguardava de forma precisa e pontual.
A parte mais triste da resenha fica por conta da dolorosa despida de dois bons Muralistas: Sabrina e Plech. O deslocamento do barco foi lento o nos deixava mais ainda com uma sensação que alguém ficou para trás. Enfim, continuamos nossa navegação rumo a Torrinhas. No caminho no meio do rio surge uma lancha vindo em alta velocidade, logo era possível ver os dois na ponta da lancha gritando e vibrando:  Bora Mural!!!! E ai todos gritam juntos de volta: Boraaaaaaaaa!!!!!! Muito show!!!!
Logo à frente avistamos o nosso restaurante flutuante, TOP, onde apreciamos e degustamos uma boas moquecas de peixe, siri catado, caldo do feijão e depois desfrutamos de um maravilhoso do descanso na rede.
Ao sair do restaurante flutuante, seguimos rumo a Torrinhas para enfrentarmos os desafios finais da longa estrada até Valença: subidas de cascalho, descidas extremamente técnicas o que exigia atenção redobrada nas grandes valetas que surgiam de repente o que causava uma grande adrenalina. Seguíamos em frente tentando nos aproximar da BA antes do anoitecer e conseguimos. No acostamento paramos e arrumamos as lanternas, pois restava ainda aproximadamente 35km de muitas subidas e mata atlântica ao redor.
No decorrer do caminho paramos alguns minutos em uma ponte sob um rio, apreciamos o por do sol, mas tensos com a estrada que ficaria escura e fria.
Chegando na pista principal para a cidade de Valença, a estrada melhora e a sinalização nos aponta que é possível seguir na mesma cadência em alta velocidade sem a preocupação de crateras no asfalto. Entretanto, devido à quantidade de subidas íngremes, foi possível notar o cansaço de alguns. Vale lembrar que os nossos treinos das terças a noite, o CTM Paralela, acaba mostrando que é sim essencial estar presente para evitar esses entraves.
Até chegar à cidade de Valença passamos por pequenos municípios que nos confortavam que não estávamos totalmente sós na pista solitária e coberta por matas virgens. A cada poucos quilômetros sentia nas pernas a dor do cansaço mas motivados em seguir a mesma cadência até o ponto final. Logo à frente era possível ver uma iluminação maior tomando conta da escura noite e tão esperada chegada de Valença. Entramos na cidade com aquela energia positiva e uma satisfação de que conseguimos, e felizes por estar junto com uma equipe tão aventureira como a nossa.
Seguimos rumo ao hotel para finalizar a viagem e antes de partimos para nossos veículos motorizados, nos cumprimentamos e agradecemos a companhia única e histórica que tivemos nos últimos dias.
Após uns 40 km isso na estrada de carro, Jampa que estava na frente começa a sair da pista, fazendo alguns zig zag, eu preocupado começo a dar luz de sinal achando que ele estivesse cochilando, comentei com a Sabrina que estava em meu carro ela ligou imediatamente para Elson que estava puxando o comboio e parou.  Descemos do carro pra conversarmos com Jampa e o fila da P., disse que estava só me sacaneando kkkk, falamos  que não brincasse dessa forma, até agora rindo e seguimos em frente. Kkkk
Pegamos o ferry e com o balanço da maré conseguimos tirar aquele velho cochilo para que pudéssemos acordar em nossa linda cidade Salvador!
#galeramassa, #pedalsucesso, #BoraMural!!!!!, #até2016. Abraços, Handel.

CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR


































































2 comentários:

Zé Bezerra disse...

Alegria reiterada, satisfação redobrada de estar em um lugar maravilhoso de paisagens lindas e na companhia de pessoas sensacionais. Borá Mural! Longa vida ao Mural de Aventuras!!

Plech disse...

Tivemos dois novos muralistas nesta ciclo top do Mural e gostaria de parabenizá-los pela excelente integração com o grupo. Handel e Jirdel sejam bem vindo à familia Mural de Aventuras.
A galera toda desta ciclo, vocês foram demais. Que grupo divertido da p.. Me acabei de rir, vocês foram massa!!!
Obrigado pelos momentos de prazer.