Trilha da Tiririca - O Buraco do Esparro Faz Novas Vítimas

Para iniciar esse texto, preciso expressar o imenso prazer e felicidade que sinto em fazer parte da família do Mural de Aventuras. Há muito tempo procurava algo novo que me realizasse esportivamente e foi justamente isso que encontrei desde o primeiro pedal no CTM Paralela. Receptividade, cuidado, amizade, aventura e BROCAÇÃO. Mas vamos ao que interessa.
Após ter que declinar o convite para fazer a resenha da trilha GUASAP + MORCEGÃO (Aniversário de 7 anos do Mural) por motivos pessoais, tive a felicidade de receber mais um convite, dessa vez para fazer a resenha da TRILHA DA TIRIRICA + BURACO DO ESPARRO (apesar de o merecedor ter sido Serjão. Vocês vão entender quando lerem a resenha inteira. Hahaha). Sendo assim é com imenso prazer que venho contar-lhes uma das melhores experiências (e “esparros”) da minha vida.
Saímos de Salvador eu, Phillipe Mafra e Jean Silva (“Tacalipau”) a caminho do local de encontro, o Posto Kona, na Linha Verde. Após alguns contratempos e um pequeno atraso nosso, lá estávamos todos reunidos, num total de onze Muralistas. Houve quem disse que fomos os pé frios pois levamos a chuva (que logo passou) com a gente. Coca-colas a serem pagas pelo atraso, nos arrumamos, tiramos algumas fotos  e “PARTIU”. Pequena observação: faltou uma representante do sexo feminino nessa aventura.
Logo no início da trilha nos deparamos com a estrada de chão (cascalho) molhada pela chuva, o que já era um indício de que teríamos muita lama. Pedalando num ritmo forte fomos entrando em algumas trilhas mais fechadas até encontrarmos um espaço aberto onde havia um pequeno “parque de diversões” com uma pequena, porém íngreme, rampa de barro. Aí vocês já viram: foram várias descidas sucessivas até que após uma delas, “Kichute” resolveu subir a mesma. Logo de cara muitos disseram ser impossível, mas após a primeira tentativa, já mudaram de opinião. A cada tentativa de subida, o juíz Sérgio Luz (o famoso Serjão) ia atribuindo uma nota, arrancando risada de todos nesse momento. Por fim, alguns conseguiram subir aquela rampa que parecia ser impossível. Desafios superados, partimos mais uma vez.
Quanto mais pedalávamos mais íamos nos deparando com subidas e descidas cada vez mais técnicas e desafiadoras, seguidas de incríveis visuais. Até que após uma dessas descidas, a bicicleta de Serjão que havia acabado de sair da revisão, furou o pneu. Aí vocês já viram, a resenha estava completa e o Bullying rolou em alta. Mais uma coca-cola na conta e partimos mais uma vez.
Após poucos minutos, Elsão parou a trilha e colocou para ir na frente aqueles que estavam ali pela primeira vez (eu, Phillipe Mafra, Jean Silva e Esron Carvalho). A essa altura eu já sabia o que estava por vir, pois já havia assistido à alguns vídeos anteriores dessa trilha. Porém, aconteceu o inevitável. Havia chovido muito e a passagem estava completamente alagada. Esron foi na frente do grupo e quando menos esperávamos ele quase sumiu dentro do buraco do esparro. Aí foi uma risada geral e ele se arrastando para tentar sair de lá. Em seguida, passaram Phillipe Mafra, “Tacalipau” e eu, todos vítimas do buraco do esparro até a cintura pelo menos. Tudo registrado pela câmera de Elsão. Com lama até o “pescoço”, demos seguimento à aventura.
Logo após o buraco do esparro, um novo desafio: uma subida completamente íngrime (a céu aberto) num misto de pedra e cascalho, a qual poucos conseguiram subir. “Tacalipau” em sua tentativa escorregou e não conseguiu “desclipar” a tempo e caiu, pedalando literalmente de cabeça pra baixo; tudo registrado por Elsão. Fomos em busca de mais aventura.
Em certo momento, fomos agraciados com uma das melhores e maiores descidas (single treck) da minha vida. Foi brocação em alta e alegria geral. Porém, como vocês sabem meus amigos, tudo que desce, uma hora tem que subir. Lá em baixo, nos deparamos com a Trilha da Tiririca 1 e com a Trilha da Tiririca 2. Elsão escolheu a de número 2 para seguirmos viagem, e lá estava mais um desafio a ser ultrapassado: uma das piores ladeiras que eu já havia visto, e em mata fechada. Foram várias tentativas, porém apenas uns três Muralistas conseguiram finalizá-la completamente. Passando por ela, lá estava a glória, após exatos 15 km rodados: o “OFURÔ DO MURAL”.
O OFURÔ DO MURAL é um escoamento do rio que nos permite fazer uma pequena pausa para um banho e lavar as bikes e roupas sujas devido ao buraco do esparro e lama do percurso. Após muita, mas muita resenha e bullying com Phillipe e Serjão (só os que estavam presentes entenderão) e muita risada, banhos tomados, algumas frutas ingeridas, bikes lavadas, roupas limpas e partimos em alta.
Passado alguns minutos, Serjão precisou fazer uma ligação e fizemos uma nova pausa. Foram uns 10 minutos de bate papo e muita risada mais uma vez (esse Serjão é uma figura, disse que pagava dobrado... Rs), sendo que o ápice foi quando “Kichute” foi apressar Serjão e “ouvir” a conversa dele ao telefone. Tudo acertado e fomos em busca da tão desejada coca-cola.
Ao chegarmos no bar, foram uns 30 minutos de descanso. Muita coca-cola, algumas cervejas e até “MORTANDELA” com limão rolou em alta. Após várias resenhas e histórias, partimos para a parte final da trilha. Phillipe Mafra ficou devendo uma coca-cola, pois ao sair do bar, já após uns duzentos metros, percebeu que estava sem capacete e voltou para pegá-lo. E mais, após a primeira ladeira saindo do bar, o pneu dele também furou. Bem que veio a calhar essa nova pausa, entre duas imensas ladeiras, pois a essa altura eu já estava completamente exausto. Pneu consertado, partimos.
Para finalizarmos a trilha, pegamos uma das maiores descidas que já vi, muito longa mesmo. Brocação em alta, muitos galhos e mata fechada. Só teve uma coisa ruim: a descida tinha acabado e a trilha também. Pegamos mais um trecho de asfalto até chegar à linha verde novamente e alcançar o posto, de onde havíamos partido. Como sempre inovando, Serjão conseguiu que o lava a jato limpasse nossas bikes por apenas dois reais de cada. Bikes limpas e nos racks, nos despedimos, todos muito cansados, eu acho, mas com a sensação de mais um desafio cumprido.
Resumo da Trilha da Tiririca + Buraco do Esparro: Muita aventura com muitas subidas e descidas, terreno técnico, muita risada, resenha e Bullying e muita brocação. BORA MURAL, BROCAAA! Israel.
VEJA O VÍDEO ABAIXO, LIGA O SOM.
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR







































































































4 comentários:

Plech disse...

Tô rindo até agora, kkkkkk. Que kichute escroto fez que ia ajudar e jogou Jampa na lama de novo. kkkkkk
Isso foi por causa do apelido que você colocou nele Jampa, "Pimba de Mosquito" .
Valeu Galera!!!
BMMP

Fernando Tadeu Falcão Benevides disse...

Rapaz, fazia tempo que eu não tinha dor de tanto rir, viu? Esse dia foi massa! BMMP!

Jean Painéis disse...

Massa essa trilha e show de galera, valeu mural!!

Ed Bala disse...

Que embolada doida no final kkkkkk