Trilha na Ilha de Itaparica - A Mutação

Teve de tudo! Pois é, galera! A trilha de Itaparica é muito completa, com vários tipos de terrenos (ou não!) e vários tipos de desafios! Dessa vez, até mesmo político-sociais!

Sei que, pelo tempo e divulgação que a coisa toda teve, muita gente curtiu, apoiou e/ou compartilhou nossa saga em busca de espaço adequado às nossas bikes depois de "sofrermos uma mutação genética". É, isso mesmo! Nós (os ciclistas) éramos classificados pela operadora do ferry boat, como pedestres e, agora "viramos veículos", olha que legal!

Só não foi tão legal porque somos veículos sem local adequado para estacionar e, também, por sermos veículos, pagamos o triplo do que pagávamos antes da "mutação"!

Mas... vamos falar da sensacional trilha que é Itaparica! Quem quiser saber mais sobre o episódio, sugiro:




Quando vou para a trilha da ilha, minha resposta às perguntas tradicionais da minha esposa, são idênticas:

- Ela: "vai sair que horas?"
- Eu: "escuro..."
- Ela: "vai voltar que horas?"
- Eu: "escuro..."

...kkkkk... Não é à toa que essa é uma das trilhas TOP5 do Mural! Sempre tem de tudo!
O Bonde da Pituba (parte do grupo) marcou de se encontrar no Mc Donald's no escuro da madrugada para irmos pedalando para o terminal marítimo e assim foi. Pedalada pré-matinal que despertou os estômagos antes da hora... as lanchonetes do terminal ainda estavam fechadas!

Logo foram chegando os outros componentes do grupo e totalizamos 17 "veículos"! Praticamente uma carreata! ...kkkkk...

As lanchonetes abriram e atacamos! Nada que um par de sanduíches mistos e um mingau de milho não resolvessem... ...he,he,he...

Embarcamos, nos posicionamos, nos posicionamos (não foi erro de digitação!) e partimos devidamente abastecidos, inclusive de orgulho!

Na ilha

A trilha de Itaparica tem pista, estradão, areia, single na mata, descida técnica em single, subidas desafiadoras, pedal no mato, componentes históricos (sempre visitamos a capelinha no meio da mata, o pier que é belíssimo e as ruínas na segunda igreja mais antiga do Brasil! Segundo quem mesmo, hein? Segunda eu pesquiso e te digo! #sqn) ...voltando à trilha: o mangue! Ah! o mangue!

Pedalou na ilha e não conheceu o mangue, comeu feijoada sem feijão! Feijão? Eu falei feijão? Sim... mas calma... vamos chegar lá! Ainda tem o banho!

Em Itaparica temos a única "cachoeira" ligável e desligável das trilhas muralísticas! É uma beleza! Um bálsamo depois de tanto esforço, mas... abre o apetite e as alucinações feijoadíferas (como diria Odorico), começam a surgir...

Daí é partir para a casa do tio de Rei, o rei da feijoada! Não o Rei, o tio! Ah! você entendeu... mas antes ainda tem um banho de mar com uma vista privilegiada de Salvador! Uma beleza!

Feijoada em porções não civilizadas, Coca-Cola em largos goles, cerveja geladinha, briga por cadeiras, cochilos espalhados pelo chão, babaríamos nas fronhas se as tivéssemos, mas... PARTIU!!! Vamos pedalar!!!

Deixa o resto da digestão para o ferry, que na volta nos tratou como deveria (repercussão "the flash" via JP)!

Descansozinho bom no ferry de volta... descanso do pedal... descanso do sol, que já se punha...descanso... PARTIU!!! Bora pedalar!!! Aqui é Mural, véio!

Resumindo... Foi massa! Fernando Benevides.
VEJA O VÍDEO ABAIXO. LIGA O SOM!
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR







































































































































































2 comentários:

João Paulo Ribeiro Junior disse...

A primeira ladeira lá em.ponta de areia é pra ferver o sangue ehehhe massa.

Carla Guimaraes Rios disse...

Nando sua resenha tá mil grau!!! Shoow!! Bem relatada, gostei da parte da mutaçao genetica kkkkkkkkkkk