8° DIA EXPEDIÇÃO JALAPÃO: SERRA DA CATEDRAL A NOVO ACORDO

Na véspera do último dia foi bem  divertido, brincamos nas trilhas do Jalapão Bike Park, tomamos banho de rio e contemplamos um espetáculo a parte da natureza do Jalapão, o lindo pôr do sol na Serra da Catedral. Ainda na véspera, após a janta, ligamos o som de Odi e ficamos jogando palitinho, bebendo whisky e vinho e muita conversa fora com umas boas risadas. Relembrando os lugares exuberantes e tudo o que vivemos até aquele momento. Mas também lembramos que o último dia seria talvez o mais duro, pois teria a maior distância a percorrer. Aproximadamente 130km da Serra da Catedral até a cidade de Novo Acordo,  somado ao cansaço de 7 dias de expedição.
As bikes, mochilas e alforjes já estavam devidamente arrumados na noite anterior. Tomamos café e ajustes finais nas bikes e na arrumação, abastecidos de agua, partiuuuu!
Bem, não preciso mais falar de areia e calor. Este dia não foi diferente dos demais. Pedalamos muito e acredito que a ansiedade e vontade de concluirmos fez impor um ritmo mais forte nesse dia. Alexandre então, nem se fala, ele estava irreconhecível. Estava brocando, deixando Nino, Odi e Kadjon pra trás. Segundo Kadjon ele se automedicou com alguma droga tarja preta. Kkkk
Pedalamos muito a procura de sombra e finalmente paramos numa árvore que oferecia sombra, mas então surge um detalhe... Um boi morto ainda em decomposição e Rei ainda queria ficar por alí rsrs. Com todo calor do Jalapão, decidimos não ficar naquela aquela sombra e fomos procurar outra sombra pra um descanso. Para nossa sorte num entroncamento mais adiante encontramos uma árvore com uma sombra perfeita. Paramos para descansarmos um pouco. A sombra estava tão boa que chegamos a tirar um breve cochilo. Mas o dia prometia ser longo e estávamos famintos.
Voltamos a pedalar quando um grupo de motocross passou por a gente levantando muita poeira. Como sempre os estradões do Jalapão parecia não ter fim, e após um  longo subidão chegamos na fazenda de Sr. Camilo. Depois  de muito chão e nenhum contato com a civilização, ali era o único ponto de apoio e encontro das expedições do Jalapão. Reencontramos vários grupos que havíamos conhecido em outras atrações do Jalapão. Nos deliciamos com coca  cola gelada e fomos a fazenda almoçar. O filho de Camilo nos acompanhou com um mini quadriciclo brocando, gostou de Rei, foram conversando até a fazenda. O almoço estava delicioso, uma moqueca e picanha. Em seguida tiramos uma boa soneca num redário com uma sombra deliciosa. Acordamos então partiuuu.
Na saída encontramos os motociclistas que passaram por a gente com um caminhão de apoio. Pensamos, assim o Jalapão fica fácil. rsrs. Continuamos nosso pedal e várias pick ups 4x4 que haviam parado no mesmo ponto de apoio passaram por nós e sempre levantando muita poeira e nos prestigiando com buzinas, acenos e fotos. O pedal como sempre muito difícil, vez ou outra conseguíamos água com alguma pick up que parava. Mais adiante encontramos o Rafael do rafting em sentido contrário, ele vinha com o grupo de rafting, conversamos,  bebemos água e fomos tranquilizados por eles que teríamos ponto de abastecimento mais adiante. Nos informaram que teríamos um pequeno córrego mais a frente e em seguida o Rio Vermelho. Resenhamos um pouco e nos despedimos. Após um trecho passamos pelo córrego, mas estava muito seco e não havia água.
Mais adiante avistamos uma ponte grande sobre o rio vermelho. Então paramos e descemos para um banho a fim de nos refrescar do calor intenso. Rei e Kadjon se divertiram com a meninada apostando quem atravessava a correnteza e nadava mais rápido. Bike na estrada e giro nas rodas, retomamos o pedal. Pedalamos forte e mais adiante nos reagrupamos numa casa num cruzamento da estrada. Lá conseguimos sombra e água. Bem, medimos o cansaço pelo entusiasmo de Kadjon. Pois nesta parada, ele devia estar mortinho, porque pela primeira vez não vez um vídeo no celular numa parada. kkkkk. Então quem fez foi Elson tirando sarro dele. rsrs.Desta parada para nosso destino de final de expedição, na cidade de Novo Acordo faltavam 25km. Partiuuuu.
Elson nosso coordenador e guia da expedição, saiu na frente seguido por mim e Rei, seguido de Alexandre (Kadjon até hoje quer saber que droga é essa que Alex tomou), kkķkk. Bem, Elsão estava enlouquecido e impôs um ritmo estonteante. Lembrando que já havíamos pedalado mais 100km.
Então ele foi se distanciando de mim e Rei. Foi quando a cada ladeira ou curva que fazíamos e não o encontrava falei pra Rei: vamos fazer uma parada. Mas Rei continuava a procura da parada de Elson e não se entregou. Assim eu também segui adiante atrás de Rei, quando só depois de passados 20km encontramos Elson numa pequena barraca de palha na estrada. Foi um tiro em altaaa de 20km no areião depois dos 100km já pedalados, imaginem o estado em que cheguei. Foi quando Elson me pegou de surpresa e fez um vídeo mostrando todo meu cansaço. Kkkkk.

Ficamos esperando os demais quando outro já conhecido do Jalapão surgiu numa pick up no sentido oposto. Era Sr. Hélio que voltava de um enterro de um parente. Nossos sinceros sentimentos meu amigo. Hélio é o  dono do restaurante  nas margens do rio do Sono onde fizemos o rafting de 30km. Vejam que interessante, como reencontramos a todo momento as mesmas pessoas ao longo do Jalapão.
Mais um pouco e os demais foram se reagrupando e Nino desabafa que durante o pedal desse dia rezou uma Ave-Maria e quase que subiu novamente numa caminhonete. Kkkkk. Brincadeira à parte, Nino foi o maior guerreiro desta expedição. Enfrentar toda a dureza do deserto com os pés abertos de calos não é pra qualquer um não. Parabéns Nino, você mostrou ter um Muralista sangue nos olhos. Mas Nino, definitivamente você não estava nos seus melhores dias, mal tinha levado uma picada de maribondo no rosto, teve o celular quebrado quando tentava atender uma ligação do seu pai no trecho onde surgiu sinal. kkkkk
Bem, a intenção de Elson neste tiro de 20km era reagrupar com apenas 5km restantes para a então chegada em Novo Acordo ainda com dia claro. Pronto, todos reunidos, 120km percorridos então partimos para nossos últimos 5km. Esses que duraram uma eternidade, tamanho era o nosso cansaço e ansiedade.
BROCAMOS O JALAPÃO!!!!!
Chegamos unidos, assim como partimos, na cidade de Novo Acordo, após aproximadamente 500km de pedal em 8 dias e condições extremamente difícil. Mas tudo valeu a pena, os lugares, as pessoas, a natureza, as adversidades, a saudade das esposas, filhos e toda a família. Foram vários momentos de muita emoção que não conseguiremos nunca passar completamente em textos, mas que ficarão eternizados em nossas memórias e em nossos corações.
Gostaria de ressaltar e agradecer a todos os familiares que nos receberam no aeroporto de Salvador com placas e cartazes com nossas fotos e nomes e com o maior carinho do mundo, isso foi muito emocionante, obrigado!!!! Após a nossa chegada, fizemos mais o último encontro do Jalapão com um delicioso churrasco com nossas famílias num dia de muita confraternização.
Obrigado aos meus companheiros e amigos de Expedição: Alexandre, Elson, Kadjon, Nino, Odi e Rei. Valeu Mural de Aventuras!!!! Plech.

CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR




























































































6 comentários:

Plech disse...

Fizemos 500km de areia e sol no deserto do Jalapão, sem carro de apoio. O único grupo que subiu a serra do Espírito Santo carregando suas bikes e fez o single track no platô da serra.
O Mural Broca!!!

Giulyano disse...

Rapaz, deu sede só de ver as fotos, parabéns a todos pela conquista. BMMP!!!!!

Kadjon disse...

Plech está de parabéns!!! Essa resenha passa completamente a emoção e sofrimento do último dia. Faltou os parabéns que cantamos para Flora quando chegamos no aeroporto.

Kadjon disse...

Plech está de parabéns!!! Essa resenha passa completamente a emoção e sofrimento do último dia. Faltou os parabéns que cantamos para Flora quando chegamos no aeroporto.

Plech disse...

É verdade Kadjon, um momento emocionante com a sua pequenininha.

Rei disse...

Uma expedição incrível que superou as expectativas tanto pelo destino como pelos companheiros. Valeu Mural, valeu expedicionários!!!