3º Dia - Ciclo Aventura Cânion do Xingó

Esse dia foi reservado para fazermos o maior e mais difícil percurso. E “QUE DIA”!!!!!
Na noite anterior passei muito mal com dor no estômago e fui parar no hospital. Tomei duas injeções, fiquei em observação e depois me liberaram. Cheguei no Hotel com um pouco de dor e dormi. Não foi uma noite tranquila, a dor ia e vinha. Só pensava na trilha, se conseguiria fazer sentindo dor. Finalmente o dia amanheceu. Conversei com Elson, Carla e Willian. As opiniões foram diversas. Ora de ficar, ora “você quem sabe”. Mural que é mural não desiste. Então levantei, tomei banho e me arrumei. Encontrei ele no café. Nem acreditaram que eu realmente ia. Comi a pulso e que, por sinal, me fez sentir mais dor. Partiu!!! O pensamento foi o tempo todo de não desistir. “A dor é psicológica”.
Ao amanhecer era possível perceber como seria a temperatura. A região é muito quente e venta pouco. A saída foi com quase 5km subindo. Subi nas graças de Deus. Senti muita dor e calafrio. Não olhava para trás senão desistia.
Saímos do asfalto e pegamos a estrada de terra. Lá é muito seco. A caatinga predomina. Passamos por vários singles alucinantes. E o sol cobrava seu preço. A temperatura aumentava absurdamente. O Garmin marcava 43.2 graus. Não tinha ponto de água (bar/casa/supermercado). Passamos por poucas casas e em uma delas, encontramos uma senhora muito educada e solícita. Pedimos água e fomos bem atendidos. Que água gelada! Agradecemos e saímos.
Por volta do meio dia “a lua” brilhou mais forte. Foi um sol para cada um. Não tinha uma nuvem para contar história, nem árvore para fazer sombra. Paramos numa praça para hidratar, repor as mochilas de água e pedir informações sobre o melhor lugar para almoçar. Foi aí que nos indicaram a Fazenda Monte Cristo. Que lugar lindo!!! Almoçamos, descansamos, tiramos fotos com os demais visitantes e saímos.
E quem desce tem que subir! A saída da Fazenda foi subindo, já pudemos gastar um pouco do almoço. Depois pegamos um estradão, singles, passamos por várias cercas até chegar no asfalto. Paramos, fizemos resenha e eu, que estava ruim de novo, pensei em não fazer o downhill que fica ao redor do Rio São Francisco, mas no Mural quem sai junto chega junto, fui orientada a tomar remédio de novo (que o anterior já tinha passado o efeito) e esperar fazer efeito. Depois de alguns minutos me senti melhor. Partiu! Fizemos esse downhill no 1º dia, mas já havia escurecido e neste dia pudemos descer ainda de dia. A L U C I N A N T E. E o pôr do sol? Dá pra voltar? Lindo demais!!  Paramos para contemplar e depois continuamos a descida até a cidade de Piranhas. Agradeço cada um pelo apoio e incentivo. Pedalar com dor não é de Deus. BBMP. Bina
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR




























































































2 comentários:

Rogério Fernandes disse...

Parabéns Bina pela superação e a todo o grupo pelo apoio. Certamente uma aventura para ficar na história. Bela resenha e fotos incríveis!!!!

Iane Sabrina disse...

Obrigada, Rogério!
Foi um dia muito difícil, mas também desafiador. BMMP.