2º Dia - 16º Desafio da Serra da Jiboia: De Santa Teresinha a Fazenda (Texto: Julio Cezar - Caimbrinha Brocação)

Olá pessoal, eu sou mais conhecido por "Caimbrinha Brocação" e vou relatar nosso dia no 16º Desafio da Serra da Jiboia do Mural de Aventuras.
Nosso segundo dia de pedal na Serra da Jibóia começou cedo. Pernoitamos em uma aconchegante pousada na cidade de Santa Teresinha e após tomarmos nosso café reforçado partimos para o pedal, agora com a companhia do muralista Marão. Inicialmente bem suave, uns 7 km de asfalto, para daí então pegamos um estradão. Nas primeiras pedaladas eu já me dei conta que não seria um dia fácil, senti a fadiga do dia anterior queimar a coxa, parecia até inicio de cãibras mas logo foi desaparecendo.
Pedalamos cerca de 15 km até chegar em Pedra Branca, tomamos tubaínas e tiramos algumas fotos. Dai então começou a subida, fizemos 7km  em direção as antenas, antes do topo paramos em uma cachoeira de água gelada e revigorante, foi maravilho o banho de cachoeira. Pedalamos por mais 2 km ate chegar ao topo. Entretanto, durante a subida sentir as vistas embaçada, fiquei preocupado pensado estar passando por uma hipoglicemia, ou coisa parecida. Mas quando perguntei a Marão, ele disse que eram as nuvens, kkk, foi motivo de resenha entre os muralistas.
A estrada que leva as antenas é estreita e de mata alta isso nos deixava mais curiosos e ansiosos para chegar logo ao topo. E não poderia ser diferente, quando chegamos ao fim da subida deparamos com uma vista exuberante, difícil de explicar, muito lindo, top, as fotos irão mostrar um pouco da beleza desse lugar. Então, paramos por alguns minutos no topo e como não daria tempo pra chegar à fazenda antes de meio dia, Elsão ligou para dona Maria para improvisar uma farofa, mas que nada, a Sra muito prestativa fez um banquete delicioso.
Porém como diz o ditado “tudo que sobe, desce”, na Serra da Jiboia não poderia ser diferente. E lá a descida e tão árdua quanto a subida, tiveram vários tombos, pois foi uma descida sem muita velocidade mas bem técnica e top, mato fechado, muitas raízes pelo chão molhado e cipós pelas passagens, então resolvi comprar vários terrenos,  sair quase de cadeira de roda, kkkk.
Depois pegamos um estradão de subidas e descidas pesadas, alcançando velocidades próximas a 70Km/h. Não demorou para chegarmos na casa de dona Maria, tomamos umas cevejinhas e almoçamos. Logo após voltamos a pedalar no sol a pino, senti o calor e o cansaço. Bezerra estava com uma bike coroa de 32T-11X42, isso fez com que ele apanhasse mais nas subidas. Sem duvida, para mim, a melhor parte do pedal foi quando passamos por uma trilha de grama verde batendo no joelho onde tinha apenas um fino carreiro que cabia apenas a roda da bike, foi top. Passamos pela trilha da matinha e nesse momento o cansaço era evidente entre os muralistas, a cada 10min eu perguntava se faltava muito para chegar.
Próximo às 16 horas, depois de mais uma subida, eu avistei os carros parados na entrada da fazenda, foi emocionante, pois não tinha pernas pra nada e como dizia o amigo Bezerra eu cheguei, mas minha alma ainda não, kkk. Elsao foi logo acendendo a churrasqueira e abrindo as cervejinhas... Depois de dois dias árduo de pedal pude perceber o valor real para palavra BROCAÇÂO. A Jiboia é brocarão pura e o Mural de Aventuras tem isso como fundamento. Bora Mural!!! Bora Serra da Jiboia, top 5 de brocação, sou fã, esse ano ainda tem mais!!! Julio Cezar (Caimbrinha Brocação).
CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR


































































































































Um comentário:

João Ramos disse...

Parabéns Teo, resenha ta massa, me fez relembrar todos os momentos top's registrados na fotos por Elsão. Que a All Inclusive em setembro!!!